quinta-feira, 11 de maio de 2017

Feliz Beltain!

Foto da minha celebração.

               Oíche mhaith! Sei que já passou bastante um pouquinho da data, mas venho desejar um feliz Beltain para todos!  O festival, que é celebrado tradicionalmente no dia 1° de maio (ou 1° de novembro, no hemisfério sul), anuncia a chegada do verão e é a época em que o Povo dos Sídhe está bastante ativo, pronto para causar confusão. O nome “Beltain”, que também é conhecido como Cetsamain, significa “fogueira brilhante”, e como essa tradução sugere, fogueiras eram acesas para simbolizar o poderio solar mais forte nessa época do ano (já que no hemisfério norte é verão...) e para purificar o gado e as pessoas que passassem pelas suas brasas ou que pulassem suas chamas. Tradicionalmente, a chama da lareira era apagada somente nessa época do ano, e era acesa com a chama trazida dessas grandes fogueiras comunitárias, ao redor das quais as divertidas celebrações aconteciam.

                Para os antigos gaélicos, a chegada do verão era uma época de muita alegria, prazer e festejos. Até os dias de hoje em algumas áreas rurais da Irlanda, são feitos os chamados “Arbustos de Maio” – pequenos arbustos decorados com fitas coloridas, serpentinas, ovos pintados, etc., e os “Galhos de Maio”, que apesar do que se poderia esperar, são versões maiores dos Arbustos, sendo usadas árvores ou partes grandes de árvores para o mesmo propósito. Apesar de toda a diversão e alegria, no entanto, medidas eram tomadas para se proteger do Povo do Sídhe, e para tal, as pessoas penduravam flores (normalmente amarelas, como o malmequer-dos-brejos e o ranúnculo) na entrada de suas casas ou nas janelas, impedindo que as “fadas” entrassem, ou eram colocadas nos animais da fazenda para protegê-los do “olho gordo” das pessoas que eram capazes de roubar a produção de leite das vacas, por exemplo.


Caudle para o Beltain

O caudle é uma receita escocesa tradicional, feita normalmente com ovos, aveia e alguma bebida alcoólica, normalmente vinho branco ou cerveja inglesa. O caudle feito para o Beltain, que é a receita abaixo, adiciona leite na composição, mas apesar de ser para o Beltain, pode ser usado em qualquer outro festival ou ocasião, como oferenda, uma bebida ou acompanhamento para alguma sobremesa, como bannocks, por exemplo. Apesar de ser um dos ingredientes principais, eu optei por fazer sem álcool, assim como os temperos também são opcionais.    

Caudle para o Beltain

Caudle usado como oferenda, junto com bannocks.

segunda-feira, 1 de maio de 2017

Superstições do 1º de maio

Fonte: WILDE, Lady Francesca Speranza. “Ancient Legends, Mystic Charms and Superstitions of Ireland.” 1887. Disponível em: <http://www.sacred-texts.com/neu/celt/ali/ali054.htm>. Acesso em: 01 de maio de 2017.

Superstições do 1º de maio

O malmequer-dos-brejos (Caltha palustris) é de grande uso na adivinhação e é chamado de “o arbusto de Beltaine.” Guirlandas para o gado e para os batentes das portas são feitas com essa flor para espantar o poder das fadas. Leite também é derramado na soleira das portas, apesar de ninguém dar leite para outra pessoa, assim como o fogo e o sal – essas três coisas eram sagradas. Existiam muitas superstições associadas com o 1º de maio. Não é seguro ir até corpos hídricos na primeira segunda-feira de maio. Acreditava-se que as lebres encontradas em maio eram bruxas e que deveriam ser apedrejadas.

Imagem relacionada
O malmequer-dos-brejos. (A imagem não faz parte do texto original)

domingo, 30 de abril de 2017

Costumes tradicionais do dia 1º de maio na Irlanda

Fonte: “Traditional May Day Customs in Ireland”, por Clodagh Doyle, no site “Our Irish Heritage”. Disponível em: <http://www.ouririshheritage.org/page_id__131.aspx>. Acesso em: 30 de abril de 2017.

Costumes tradicionais do dia 1º de maio na Irlanda
Por Clodagh Doyle, Curador da Irish Folklife Division

                O 1º de maio, primeiro dia do mês, é um dos dias trimestrais do calendário irlandês tradicional. Cada um desses dias trimestrais indica o início de uma nova estação. A primavera é assinalada no dia 1º de fevereiro (o dia de St. Brigid), o outono no dia 1º de agosto (Lúnasa) e o inverno no dia 1º de novembro (Samhain). Existiam também costumes folclóricos associados com as vésperas desses festivais, marcando a transição sazonal.

sábado, 15 de abril de 2017

Finn e o Homem na Árvore

Finn e o Homem na Árvore
Di Chetharslicht Athgabála
Senchas Mór

                Quanto a Finn Ua Baiscne, quando os fian estavam em Badamair nas margens do Suir, Cúldub, o filho de Ua Birgge, saiu do monte encantado na planície de Femen (os escoceses dizem) e levou embora a comida deles. Ele fez isso com eles por três noites. Na terceira vez, no entanto, Finn soube[1] e ficou diante dele no monte encantado em Femen. Finn o segurou quando ele entrava no monte de forma que ele caiu lá.[2] Quando ele tirou sua mão, uma mulher o encontrou[3] quando saía do monte com um recipiente gotejando em sua mão, tendo acabado de distribuir bebidas, e emperrou a porta contra o monte, fazendo com que Finn apertasse seu dedo entre a porta e a guarnição. Ele então colocou seu dedo na boca. Quando tirou, ele começou a cantar, o imbas o iluminou e disse [Segue agora uma ‘retórica’ intraduzível].

quarta-feira, 5 de abril de 2017

Os Dindshenchas em prosa: Tailtiu

94. Tailtiu

                Tailtiu, a filha de Magmór, foi a esposa de Eochu o Duro, filho de Dua o Negro. A Fortaleza dos Reféns em Tara foi construída por ele, e Tailtiu era a mãe adotiva de Lug, o filho do Campeão Mudo. Foi ela que pediu para seu marido desobstruir1 para ela o Bosque de Cúan, para que pudesse haver uma assembléia em volta de seu túmulo. Depois disso, ela morreu nas calendas de agosto e sua lamentação e jogos fúnebres foram realizados por Lugaid. Por esse motivo dizemos Lug-nasad, “Jogos de Lugh”, Lammas.

                Isso foi há mil e quinhentos anos antes do nascimento de Cristo, e antes da chegada de Patrício, a feira era realizada por todo rei que reinava na Irlanda, tendo existido quinhentas feiras em Tailtiu da época de Patrício até a Dub-oenach “Assembléia Negra” de Donchad, o filho de Fland, filho de Maelsechlainn.

domingo, 2 de abril de 2017

Ideia para um conjunto de Ogham

Go mbeannaí Ogma daoibh! Quis compartilhar essa pequena e simples ideia com vocês para a criação de um conjunto de ogham, de uma maneira simples, rápida e econômica, para aqueles de nós que não podem fazer um conjunto pirografado ou entalhado em madeira, ou que não podem comprar um conjunto pronto. Com apenas dois materiais, é possível fazer um conjunto de ogham de forma bastante simples e que pode ser tão eficaz quanto outro qualquer conjunto disponível no mercado. Para aqueles que não sabem o que é o ogham ou estão pouco familiarizados com o termo, sugiro dar uma olhada na “Leitura recomendada” disponível no final do texto.

terça-feira, 28 de março de 2017

Os métricos Dindshenchas: Eo Rossa, Eo Mugna, etc.

Poema 24
Eo Rossa, Eo Mugna, etc.

1. Como caiu o Ramo de Da Thí?
Ele abrigava a força de muitos mercenários gentis:
Um freixo, a árvore das tropas ligeiras,
Sua copa não suportava uma produção permanente.

2. O Freixo em Tortu – tomem nota disso!
O Freixo da populosa Usnech.
Seus galhos caíram – isto não está errado –
Na época dos filhos de Aed Slane.

sexta-feira, 24 de março de 2017

Os métricos Dindshenchas: Eo Mugna

Poema 23
Eo Mugna

1. Eo Mugna, grande era a nobre árvore,
Alta era sua copa, acima do restante das copas;
Trinta cúbitos – isto não é um gracejo –
Era a medida de sua circunferência.

2. Três centenas de cúbitos era a altura da inocente árvore,
Sua sombra se estendia por mil cúbitos:
Em segredo ela permaneceu no norte e no leste
Até a época de Conn das Cem Batalhas.

quarta-feira, 22 de março de 2017

Os métricos Dindshenchas: Mag Mugna

Poema 22
Mag Mugna

1. Mugna, o filho da minha irmã, da gloriosa árvore,
Deus a criou há muito tempo,
Uma árvore abençoada com várias virtudes,
Com três opções de frutas.

2. A bolota do carvalho, a estreita e negra noz,
E a maçã – era uma grande macieira brava –
O Rei enviava por regra
Para a árvore, três vezes ao ano.